No rumo da integração regional.

Quando se trata de decisão tomada por políticos, nem tudo é motivo para lamentação e indignação A criação da Associação dos Municípios do Vale do Paranhana e do Consórcio Intermunicipal, com o objetivo principal de desenvolver projetos comuns às cidades do Paranhana é motivo de sorrisos e aplausos. É bem vinda e merece nossa saudação.

Há 20 anos, lideranças empresariais, dentre as quais Guido Utz e Décio Schenkel, que presidiam a ACIT, deram início ao movimento de consolidação de uma identidade própria para a região: o Paranhana. A ACIT se transformou em CICS-VP (Câmara da Indústria, Comércio, Serviços e Agropecuária do Vale do Paranhana), tendo como meta principal a da integração regional, simbolizada, na época, por uma logomarca enaltecendo o calçado nas correntezas do rio Paranhana e o slogam "a força da corrente".

Agora dentro do mesmo objetivo, o da integração, teremos uma entidade que congregará todos os prefeitos das seis cidades do Vale. Só assim temos alguma chance de fazer frente às adversidades e as desavenças e reverter a situação nada confortável em que a região se encontra quando analisada sobre a ótica do desenvolvimento socioeconômico como demonstra o IDESE (Índice de Desenvolvimento Sócioeconômico).

Para recuperar, só no médio e no longo prazo e isso se adotarmos a ferramenta do planejamento, indispensável para quem se dispõe a construir um projeto responsável e sustentável. Planejamento estratégico regional que no nosso caso é a Agenda Paranhana 2020, capitaneado pela sociedade civil organizada, representada por voluntários, entidades de classe e o poder público, em especial os executivos municipais e seus legisladores. Agenda que começou com um diagnóstico, uma espécie de radiografia regional, feita a partir de um encontro histórico que reuniu mais de 300 cidadãos paranhanenses e que teve seu ponto forte na consulta popular, da qual participaram 4906 pessoas votando e escolhendo os objetivos estratégicos prioritários. Depois veio os encontros dos voluntários especialistas que apresentaram 39 projetos no que se chamou de movimento de primeira onda. Destes, atualmente, 60% estão em andamento, 20% foram implementados e os outros 20% estão atrasados. O Hospital Regional com a UTI e o Calendário Regional de Eventos, são alguns dos 39 projetos que estão na Agenda, que certamente serão beneficiados com a criação da Associação e do Consórcio, ganhando um novo impulso, o que deve ocorrer com outros projetos do nosso planejamento regional.

Ainda temos o Escritório de Projetos (PMO), em fase final de estruturação, que poderá dar suporte técnico não só aos projetos estratégicos que estão na Agenda, mas também na elaboração e na gestão de projetos pontuais do Consórcio e das Prefeituras. Enfim, temos mais um motivo para sustentar a utopia de que o Paranhana ainda será "uma região de primeiro mundo". Parabéns a todos os prefeitos do Paranhana!


Marcos Kayser
Presidente CICS-VP